Monday, December 11, 2006

dicas de ´saúde

Sua Saúde
Fatores de Risco
Medicação - Cuidados indispensáveis
Ouça seu coração
Estresse
Obesidade
Má alimentação
Tabagismo
Hipertensão
Colesterol
Sedentarismo
Diabetes
Fator Genético
Com o coração na boca
MEDICAÇÃO: CUIDADOS INDISPENSÁVEIS
Evite comprar remédios de vendedores ambulantes ou em estabelecimentos não-habilitados para isso.
Dê preferência a farmácias e drogarias, especialmente aquelas que contam com um farmacêutico para o atendimento.
Recuse a substituição de marcas sem provas de igualdade entre os produtos.
Não adquira produtos que não sejam registrados pelo Ministério da Saúde (o número do registro deve constar na embalagem).
As embalagens internas e externas devem apresentar número de lote, datas de fabricação e validade, nome do farmacêutico responsável e dados do fabricante.
Recuse todo produto cuja embalagem, cor ou cheiro apresente-se diferente do habitual. Em caso de dúvida, consulte o fabricante.
Se o remédio não produzir o efeito esperado ou causar efeitos colaterais, procure auxílio médico.
Em caso de suspeita de falsificação, venda de produtos com prazo de validade vencido ou adulterações (tais como falta do lacre ou embalagem raspada), informe a Secretaria de Vigilância Sanitária local.
Adquira apenas medicamentos prescritos por médicos, exceto para pequenos e eventuais problemas, tais como ferimentos superficiais e dor de cabeça leve.
Evite se auto-medicar e seguir recomendações de pessoas leigas.
OUÇA SEU CORAÇÃO
Evite o estresse, o fumo, o excesso de peso, a auto-medicação, a vida sedentária e fique atento à sua pressão arterial.
Se você levar uma vida mais saudável, seu coração irá agradecer.
ESTRESSE
O estresse é uma reação do nosso organismo em que empregamos certa quantidade de energia para reagirmos a uma situação que nos incomoda, amedronta, confunde ou emociona profundamente.
Ele é positivo, necessário e faz parte de nossas vidas, mas quando as exigências e tensões são muito pesadas ele pode ser prejudicial.
As causas mais freqüentes (mudanças, sobrecarga de trabalho, alimentação inadequada e rotina desgastante) são quase sempre as mesmas, mas a resposta ao estresse é individualizada e as reações são diferentes em cada pessoa.
Normalmente começa com insônia, cansaço físico e mental, ansiedade, perda de apetite, obesidade e problemas sexuais.
O estresse afeta sua saúde, por isso e importante controlá-lo.
Sempre que puder pratique atividades físicas que lhe dêem prazer, faça exercícios de relaxamento, administre melhor o seu tempo, estabeleça prioridades e alimente-se adequadamente.
Lembre-se sempre de que é necessário conhecer seus limites e não exigir demais de você mesmo.
OBESIDADE
Para quem ainda tem dúvida, a obesidade está, sim, relacionada aos principais causadores de doenças cardíacas.
A hipertensão arterial, o teor elevado de colesterol no sangue, o diabetes e a síndrome de resistência à insulina aumentam as chances de um derrame cerebral ou infarto.
A pessoa sedentária tem maior tendência à obesidade e ao desenvolvimento desses males; por isso, é bom praticar exercícios regularmente para combater esses perigosos efeitos.
Mexa-se!
MÁ ALIMENTAÇÃO
Um dos maiores desafios da humanidade está em conseguir equilibrar adequadamente a alimentação e mantê-la saudável.
Para isso, é preciso evitar a ingestão de gordura animal e de colesterol em grande quantidade, o excesso de sal na preparação dos alimentos, o consumo exagerado de bebidas alcoólicas, a ausência de fibras na dieta e a excessiva ingestão calórica (fatores que são considerados os vilões no aparecimento de doenças do coração).
Várias condições que levam a doenças cardíacas têm relação direta com a alimentação; por isso, é muito importante que você faça esse esforço e mantenha sua alimentação equilibrada, a fim de prevenir os fatores de risco e evitar o aparecimento de muitas doenças.
Algumas dicas importantes para melhor equilibrar sua alimentação:
substituir o leite e seus derivados integrais por desnatados;
substituir a manteiga por margarina cremosa, requeijão light, queijo branco ou ricota;
evitar banha de porco, bacon, gordura de coco e azeite de dendê;
retirar a pele do frango antes do cozimento; - dar preferência aos óleos vegetais (soja, milho, canola e oliva);
consumir maior quantidade de fibras, que são encontradas em maior quantidade em cereais matinais, verduras, legumes e frutas.
Uma dieta correta e equilibrada ajuda a manter a saúde e a melhorar a qualidade de vida.
TABAGISMO
Todos sabem, inclusive os fumantes, que fumar não faz bem a ninguém.
O fumo pode causar sérios problemas à saúde, tais como aumento do número de batimentos cardíacos, risco de infarto e de câncer do pulmão.
Além disso, a nicotina do cigarro aumenta a pressão arterial, o que não significa que fumar cigarros com baixos teores de nicotina diminua o risco de doenças cardíacas.
Mas os prejuízos à saúde não param por aí.
O cigarro também provoca a diminuição da quantidade de colágeno da pele, causando envelhecimento precoce, e quanto maior o número de cigarros e a duração do vício, maiores os riscos.
Por todos esses fatores, o Ministério da Saúde adverte: fumar é prejudicial à saúde.
HIPERTENSÃO
Mais conhecida como pressão alta, a hipertensão pode causar infarto do miocárdio ou derrame cerebral; o perigo é ainda maior quando está associada a outros fatores de risco, tais como o fumo ou o colesterol elevado.
A pressão arterial pode ser controlada por meio de uma dieta adequada, diminuindo-se a quantidade de sal empregada no preparo dos alimentos, pela prática de exercícios moderados ou com o auxílio de medicamentos.
Na maioria das vezes não se percebe, mas as conseqüências da hipertensão podem ser desastrosas. Fique de olho e controle sua pressão.
COLESTEROL
Um dos grandes fatores de risco para as doenças cardiovasculares é o nível de colesterol elevado no sangue.
Neste caso, diminuir a quantidade de alimentos que contenham gordura saturada é a melhor solução.
Procure substituir as carnes e o leite e seus derivados por alimentos ricos em fibras, tais como farelos, frutas, verduras e legumes.
SEDENTARISMO

O sedentarismo é um fator muito importante para o desenvolvimento da obesidade e das suas conseqüências.
Há maior probabilidade de uma pessoa sedentária apresentar outros fatores de risco para doenças cardiovasculares.
Neste caso, uma ótima solução é a prática regular de exercícios.
DIABETES
Para quem não sabe, o diabetes é uma doença que se caracteriza pela eliminação abundante de urina contendo grandes quantidades de açúcar.
Em outras palavras, é um distúrbio do metabolismo dos açúcares.
As pessoas diabéticas devem, portanto, evitar o açúcar, os carboidratos e as bebidas alcoólicas em sua alimentação.
O controle do diabetes é muito importante, pois as pessoas diabéticas apresentam maior probabilidade de infarto ou derrame cerebral e, além disso, o controle do diabetes pode permitir uma vida normal.
Fique atento a esse importante fator de risco para doenças cardiovasculares.
FATOR GENÉTICO
É muito importante que você saiba se há histórico de doenças cardiovasculares em sua família.
Caso seus pais, avós ou alguém da família tenha alguma dessas doenças, isso pode significar um risco maior para você.
Se você tem um parente de primeiro grau que tenha infartado ou sofrido um derrame, principalmente antes dos 55 anos (homens) e 65 anos de idade (mulheres), a sua preocupação com a prevenção deve ser ainda mais intensa.
Peça ao seu médico que lhe informe qual é a estratégia de prevenção mais adequada para você.
COM O CORAÇÃO NA BOCA
A saúde de seu coração está relacionada com a saúde de seus dentes e gengivas. Higiene bucal e avaliações odontológicas periódicas são fatores fundamentais para prevenir os problemas.
Não se descuide!


initNav("nav");

Sua Saúde
Controlar o colesterol. Uma decisão que vale uma vida.
Colesterol - conhecendo melhor o inimigo
Aterosclerose - o perigo da obstrução
Abra caminho para uma vida mais saudável
Como o seu médico pode ajudar
Seja fiel a você mesmo(a)
COLESTEROL. CONHECENDO MELHOR O INIMIGO.
O colesterol é uma substância gordurosa, esbranquiçada e sem odor. Ele não pode ser visto nem percebido no sabor dos alimentos. Existem dois tipos principais de colesterol: o LDL (o mau colesterol) e o HDL (o bom colesterol). Em pequenas quantidades, o colesterol é necessário para algumas funções do organismo; em excesso, causa problemas.
ATEROSCLEROSE. O PERIGO DA OBSTRUÇÃO.
A aterosclerose é um endurecimento das artérias, que se inicia em média aos 25 anos de idade; seu progresso é responsável por uma série de doenças graves, tais como:
Ataque Cardíaco (Infarto)Ocorre quando a obstrução de uma artéria coronária leva à morte parte do músculo do coração. Pode ser fatal.
AnginaÉ uma dor intensa no peito que se manifesta, mais freqüentemente, durante esforços físicos. Pode limitar seriamente as atividades do indivíduo, mas pode também alertá-lo sobre um possível avanço da aterosclerose.
Derrame (Acidente Vascular Cerebral)A aterosclerose pode afetar também as artérias do cérebro. O derrame é causado pela obstrução de uma delas, provocando morte ou incapacidade física.
ABRA CAMINHO PARA UMA VIDA MAIS SAUDÁVEL
Seja rigoroso no controle da alimentação. Evite carnes gordurosas, leite integral e derivados, gema de ovo, chocolate e pele de aves. Não fume. O cigarro, aliado ao colesterol, multiplica os riscos. E faça exercícios regularmente. A atividade física é benéfica em todas as idades.
COMO O SEU MÉDICO PODE AJUDAR
Mesmo seguindo uma dieta adequada, muitos pacientes não conseguem reduzir o colesterol aos níveis desejáveis. Nesses casos, a medicina dispõe de medicamentos eficazes para o controle confiável do colesterol. Um estudo realizado na Escandinávia provou pela primeira vez, em 1994, que um redutor do colesterol foi capaz de salvar a vida de 30% dos pacientes de um grupo de 4.444 pessoas com angina e que já haviam sofrido um infarto do miocárdio.
SEJA FIEL A VOCÊ MESMO(A)
O colesterol, assim como a hipertensão e o diabetes, é um problema crônico e exige tratamento contínuo. Por isso, verifique regularmente a sua taxa de colesterol. Siga à risca a orientação do seu médico e tenha uma vida saudável.
Artéria coronária de um homem de 45 anos, vítima de um ataque cardíaco.
Artéria coronária de uma mulher de 33 anos, vítima de um ataque cardíaco.


Especialistas indicam os dez mandamentos fundamentais para preservar e melhorar as funções cardiovasculares e cerebraisMENTE SÃ, CORAÇÃO BOM
IARA BIDERMANCOLABORAÇÃO PARA A FOLHA
Para cuidar do coração, use a cabeça; para manter a cabeça boa, cuide do coração. Esse é o mandamento conclusivo das duas séries de dez mandamentos apuradas pela Folha para quem quer manter a saúde cardiovascular e a mental.Para fazer esse levantamento, foram ouvidos 20 profissionais das áreas de cardiologia, neurologia, endocrinologia, psiquiatria, geriatria, psicologia, nutrição e esportes. As respostas foram espontâneas: os itens da lista não foram sugeridos pela reportagem, cada especialista relacionou o que considera mais importante. Depois, as respostas foram comparadas e os decálogos foram montados com os mandamentos mais citados.No capítulo coração, ressaltou-se que usar a cabeça -ou o bom senso- é a melhor forma de prevenção. Parece fácil, mas não é o que acontece. Apesar de a cartilha dos cuidados para o coração ser bastante divulgada, os médicos acreditam que ela é pouco utilizada. A prova disso é que, nos últimos 60 anos, triplicou o número de mortes causadas por doenças cardiovasculares no Brasil. E, segundo uma pesquisa da Universidade de Columbia (EUA), patrocinada pelo Banco Mundial, prevê-se que em 2020 o Brasil será o país campeão do mundo em mortes por causas cardiovasculares.Nos mandamentos relativos à mente, o aspecto mais marcante das respostas dos profissionais de saúde foi a valorização dos cuidados "não-físicos". Cuidar dos afetos e cultivar a espiritualidade, por exemplo, foram itens tão citados quanto cuidar da alimentação ou praticar atividades físicas. Segundo os especialistas ouvidos, para uma cabeça saudável vale mais uma boa filosofia de vida do que qualquer remédio ou alimento dito milagroso -que, por sinal, ainda não foram descobertos.Algumas dessas substâncias promissoras estão relacionadas na parte dedicada às questões mais ou menos polêmicas relativas à saúde do coração e da mente. Foram levantados conceitos, descobertas e hipóteses que são objetos de pesquisa científica, mas ainda não são consenso entre os médicos. Alguns deles podem se provar realmente eficazes, outros podem ser definitivamente descartados. Mas, por enquanto, não estão gabaritados para fazer parte das listas dos "mandamentos".
O que fazer para manter o coração saudável
IARA BIDERMANda Colaboração para a Folha de S. Paulo1. Manter o peso idealIsso significa ter um IMC (índice de massa corpórea, número obtido por meio da divisão do peso pela altura ao quadrado) entre 18,5 e 25. Com um índice maior do que 25, a pessoa é considerada com excesso de peso e, acima de 30, obesa. A obesidade, que hoje atinge 13% da população brasileira, aumenta o risco de doenças cardiovasculares, diabetes e hipertensão. Além de controlar o ganho de peso em geral, deve ser observado especialmente o aumento da gordura abdominal, associado ao aumento de triglicérides, HDL (o "bom" colesterol) baixo, e um risco ainda maior de diabetes e hipertensão.2. Comer com qualidade e em pouca quantidadeReduzir o consumo de gorduras trans e de origem animal, moderar no açúcar e nos carboidratos simples, aumentar a ingestão de fibras -principalmente as solúveis, que diminuem a absorção de açúcares e o nível de colesterol "ruim" no organismo. Além disso, a menor ingestão de calorias totais (não importa a fonte) não só evita o excesso de peso como também está associada ao aumento da expectativa de vida.3. Controlar o consumo de salEstima-se que entre 15% e 20% da população é sensível ao sal, apresentando maior risco de ter hipertensão -conhecida como "doença silenciosa", porque pode se desenvolver por anos sem que o indivíduo perceba os sintomas- que é um importante fator de risco de infartos. No Brasil, média de consumo de sódio total (incluindo sal de cozinha e alimentos industrializados) é de 12 gramas diárias, o dobro da quantidade recomendada pelos médicos para pessoas saudáveis e três vezes a quantia preconizada para quem tem hipertensão grave ou complicações cardiovasculares.4. Praticar atividades físicasAlém de controlar o ganho de peso, a atividade física de intensidade de leve a moderada, praticada de três a cinco vezes por semana por, no mínimo, 30 minutos, melhora a pressão arterial, diminui a sensibilidade à insulina e o risco de formação de tromboses e "economiza" o coração, modelando-o para trabalhar mais devagar e de forma mais ritmada. Os mais recomendados são os exercícios dinâmicos (aeróbicos) como caminhada, ciclismo e natação.5. Largar o cigarro e, na medida do possível, ficar longe de ambientes de fumantes O cigarro aumenta o risco de trombose e é um fator desencadeador de infarto e AVC (acidente vascular cerebral). O fumante passivo também está exposto a esses riscos, evidentemente em menor grau. Superadas as dificuldades de parar de fumar, os benefícios surgem rapidamente: os riscos cardiovasculares atribuídos ao cigarro diminuem em 50% seis meses após o abandono do vício e são zerados após cinco anos sem fumar.6. Checar, periodicamente, a pressão arterialSegundo estudos feitos nos Estados Unidos, quase 1/3 dos hipertensos não sabe que tem a doença. A pressão deve ser medida desde a primeira infância, durante as consultas de rotina no pediatra. A partir dos 40 anos, recomenda-se a medição de pressão duas vezes por ano, pelo menos; depois dos 65 anos, ela deve ser medida a cada três meses. Estima-se que 90% das pessoas com mais de 55 anos desenvolvam algum grau de hipertensão.7. Checar, em exames laboratoriais, os níveis de colesterol total, LDL, HDL, triglicérides e glicemiaO mais comum é que, em pessoas saudáveis e sem fatores de risco, esses exames comecem a ser feitos periodicamente a partir dos 40 anos. Se não houver alteração ou outros fatores de risco, o exame deve ser refeito a cada cinco anos. Mas a tendência, segundo as orientações mais recentes das sociedades médicas, é começar a medir o colesterol mais cedo -uma primeira medição pode ser feita aos dez anos, principalmente em crianças com tendência à obesidade.8. Administrar o estresseEsse é, mais do que causa imediata, um gatilho para o desencadeamento de doenças cardiovasculares. Em situações estressantes, o organismo reage aumentando a freqüência cardíaca e a quantidade de açúcar no sangue, entre outras coisas. Se há predisposição para distúrbios cardiovasculares ou diabetes, por exemplo, essas situações podem propiciar o surgimento da doença.9. Procurar tratamento médico quando há fatores de risco ou doença já estabelecidos, como colesterol alto, hipertensão e diabetesA adoção de bons hábitos alimentares e de vida torna-se ainda mais importante nesses casos, mas não costuma ser o suficiente para melhorar o problema. São indispensáveis o tratamento e o acompanhamento médico feito de forma regular e a longo prazo e a aderência do paciente à terapia prescrita.10. Amar e ser amado, dar risada, sair da rotina, ser felizTudo o que é bom para a saúde da mente interfere diretamente na saúde do coração. Aprender a viver com menos ansiedade, tristeza ou mau humor pode evitar e adiar o aparecimento de doenças e, quando elas já estão instaladas, facilitar o seu controle.

No comments: