Thursday, April 30, 2015

Consumir alimentos ricos em potássio na infância pode ajudar a prevenir a hipertensão arterial na adolescência, em artigo do JAMA Pediatrics

Consumir alimentos ricos em potássio na infância pode ajudar a prevenir a hipertensão arterial na adolescência, em artigo do JAMA Pediatrics

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia
Consumir alimentos ricos em potássio na infância pode ajudar a prevenir a hipertensão arterial na adolescência, em artigo do JAMA Pediatrics

A identificação dos fatores de risco, no início da vida, para o desenvolvimento de pressão arterial1 sanguínea elevada é crítica para a prevenção da doença cardiovascular. Para estudar prospectivamente o efeito do sódio, do potássio e da relação potássio/sódio na dieta na pressão sanguínea de adolescentes, foi realizado estudo prospectivo2 de coorte3 em Richmond (Califórnia), Cincinnati (Ohio) e Washington DC.
O estudo National Heart, Lung, and Blood Institute’s Growth and Health Study contou com a participação de 2.185 meninas, negras e brancas, com idades entre 9 e 10 anos no início da pesquisa, com dados completos para dieta e pressão arterial1 desde o início até meados da adolescência. Elas foram acompanhadas por 10 anos. As primeiras visitas de avaliação foram entre março de 1987 a fevereiro de 1988 e o acompanhamento continuou até fevereiro de 1999. Foram utilizados modelos mistos longitudinais e análise de modelos de covariância para avaliar o efeito do sódio, do potássio e da relação potássio/sódio na pressão arterial sistólica4 e diastólica ao longo da adolescência e após 10 anos de acompanhamento com os ajustes para raça, estatura, atividade, tempo de exposição à TV/vídeo, calorias5 ingeridas e outros fatores dietéticos.
As médias da pressão arterial sistólica4 e diastólica em toda a adolescência e no final do acompanhamento, quando as adolescentes tinham entre 17 e 21 anos, foram avaliadas. Foram observados os consumos médios de sódio e potássio na dieta e a média da relação potássio/sódio na faixa etária de 9 a 17 anos e eliminados potenciais fatores de confusão por caloria6 ingerida.
A ingestão de sódio foi classificada como:
  • Menos do que 2.500 mg/dia (19,4% dos participantes)
  • 2.500 mg/dia a menos de 3.000 mg/dia (29,5%)
  • 3.000 mg/dia a menos do que 4.000 mg/dia (41,4%)
  • 4.000 mg/dia ou mais (9,7%).
A ingestão de potássio variou entre:
  • Menos de 1.800 mg/dia (36,0% dos participantes)
  • 1.800 mg/dia a menos de 2.100 mg/dia (26,2%)
  • 2.100 mg/dia para menos do que 2.400 mg/dia (18,8%)
  • 2.400 mg/dia ou mais (19,0%).
Não houve nenhuma evidência de que as ingestões mais elevadas de sódio (3.000 a <4 .000="" dia="" e="" i="" mg="">versus
<2500 a="" adverso="" class="postTip word_cnt_3381487_4" dia="" efeito="" mg="" sobre="" span="" style="font-family: inherit;" tenham="" tip="" tipwidth="450" um="">pressão arterial1 das adolescentes e modelos mistos longitudinais mostraram que aquelas que consumiram 3.500 mg/dia ou mais tiveram geralmente a pressão arterial diastólica7 mais reduzida em comparação com aquelas que consumiam menos de 2.500 mg/dia (P=0,18). No entanto, a maior ingestão de potássio foi inversamente associada à mudança da pressão arterial1 ao longo da adolescência (P<0 a="" class="postTip word_cnt_3381487_3" para="" span="" style="font-family: inherit;" tip="" tipwidth="450">pressão sistólica8 e diastólica) e no final do seguimento (P=0,02 e P=0,05 para a pressão sistólica8 e diastólica, respectivamente). Enquanto a relação potássio/sódio também foi inversamente associada à pressão arterial sistólica4 (P=0,04), estes efeitos foram geralmente fracos em comparação com os efeitos para o potássio sozinho. As conclusões deste estudo mostram que o consumo de 3.500 mg/dia de sódio ou mais não teve nenhum efeito adverso sobre a pressão arterial1. Os efeitos benéficos do potássio na dieta na pressão arterial sistólica4 e diastólica sugerem que consumir mais alimentos ricos em potássio durante a infância pode ajudar a suprimir o aumento da pressão arterial1 na adolescência.
Fonte: JAMA Pediatrics, publicação online, de 27 de abril de 2015

No comments: