Wednesday, May 27, 2015

Aumento do IMC e da VHS na adolescência podem ter relação com o risco de câncer colorretal na fase adulta, publicado pelo periódico Gut

Aumento do IMC e da VHS na adolescência podem ter relação com o risco de câncer colorretal na fase adulta, publicado pelo periódico Gut

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia
Aumento do IMC e da VHS na adolescência podem ter relação com o risco de câncer colorretal na fase adulta, publicado pelo periódico Gut
Obesidade1 e inflamação2 em adultos têm sido associadas ao risco de câncer3 colorretal (CCR). No entanto, pouco se sabe sobre como o índice de massa corporal4 (IMC5) do adolescente e a inflamação2 nesta faixa etária, medida pela taxa de sedimentação de eritrócitos6 (ESR) ou velocidade de hemossedimentação7 (VHS8), podem estar relacionados ao risco de CCR. Cientistas norte-americanos e suecos avaliaram essas associações em uma coorte9 de 239.658 homens suecos que realizaram exames de alistamento militar obrigatório no final da adolescência (idades entre 16 e 20 anos).
No momento do recrutamento (1969-1976), a altura e o peso foram medidos e a VHS8 foi dosada. Por ligação ao registro nacional de câncer3, esses recrutas foram seguidos para o risco de câncer3 colorretal (CCR) até 1° de janeiro de 2010. Aqueles com uma história de doença inflamatória do intestino foram excluídos. Durante uma média de 35 anos de acompanhamento, 885 casos de CCR ocorreram, incluindo 501 tumores do cólon10 e 384 tipos de câncer3 retal. A regressão de Cox foi utilizada nas análises estatísticas.
Comparados com adolescentes de peso normal (IMC5 de 18,5 a <25 adolesc="" aqueles="" class="postTip word_cnt_3564607_6" com="" da="" final="" kg="" m="" ncia="" no="" span="" style="font-family: inherit;">sobrepeso
11 (IMC5 de 27,5 a <30 2="" a="" apresentaram="" de="" href="http://www.abc.med.br/p/cancer/30468/cancer+colorretal.htm" kg="" m="" maior="" risco="" target="_blank" um="" vezes="">CCR (IC 95% 1,40-3,07) e aqueles com obesidade1 (IMC5 ≥ 30 kg/m²) apresentaram um risco 2,38 vezes maior de CCR (IC 95% 1,51-3,76) (P-tendência<0 adolescentes="" class="postTip word_cnt_3564607_12" com="" do="" masculino="" sexo="" span="" style="font-family: inherit;">VHS8 maior que 15 mm/hora tiveram um risco 63% maior de CCR do que aqueles com VHS8 menor que 10 mm/hora (P-tendência: 0,006). As associações não diferiram significativamente pelo local anatômico do tumor12. Concluiu-se que o IMC5 e a inflamação2 medida pelo VHS8, no final da adolescência, podem estar associados de forma independente com o risco futuro de câncer3 colorretal. Mais pesquisas são necessárias para entender melhor como algumas exposições no início da vida podem se relacionar com riscos de câncer3 colorretal no futuro.
Fonte: Gut, publicação online, de 18 de maio de 2015
terça-feira, 26 de maio de 2015
NEWS.MED.BR, 2015. Aumento do IMC e da VHS na adolescência podem ter relação com o risco de câncer colorretal na fase adulta, publicado pelo periódico Gut. Disponível em: . Acesso em: 27 mai. 2015.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
5 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Eritrócitos: Células vermelhas do sangue. Os eritrócitos maduros são anucleados, têm forma de disco bicôncavo e contêm HEMOGLOBINA, cuja função é transportar OXIGÊNIO. Sinônimos: Corpúsculos Sanguíneos Vermelhos; Corpúsculos Vermelhos Sanguíneos; Corpúsculos Vermelhos do Sangue; Glóbulos Vermelhos; Hemácias
7 Velocidade de hemossedimentação: É a velocidade com que os glóbulos vermelhos se separam do “soro” e se depositam no fundo de um tubo de ensaio, se este tubo com sangue é deixado parado (com anticoagulante). Os glóbulos vermelhos (hemácias) são puxados para baixo pela gravidade e tendem a se aglomerar no fundo do tubo. No entanto, eles são cobertos por cargas elétricas negativas e, quando vão se aproximando do fundo, repelem-se umas às outras, como cargas iguais de ímãs. Essa força magnética de repulsão se contrapõe à gravidade e naturalmente diminui a velocidade com que as hemácias caem. Se junto com as hemácias, nadando no plasma, haja outras estruturas de cargas positivas, estas vão anular as cargas negativas das hemácias e também a repulsão magnética entre elas, permitindo sua aglutinação. Neste caso a gravidade age sozinha e a velocidade com que elas caem (velocidade de hemossedimentação) é acelerada. O VHS é expresso como o número de milímetros que o sangue sedimentou (no tubo) no espaço de uma hora (mm/h).
8 VHS: É a velocidade com que os glóbulos vermelhos se separam do “soro” e se depositam no fundo de um tubo de ensaio, se este tubo com sangue é deixado parado (com anticoagulante). Os glóbulos vermelhos (hemácias) são puxados para baixo pela gravidade e tendem a se aglomerar no fundo do tubo. No entanto, eles são cobertos por cargas elétricas negativas e, quando vão se aproximando do fundo, repelem-se umas às outras, como cargas iguais de ímãs. Essa força magnética de repulsão se contrapõe à gravidade e naturalmente diminui a velocidade com que as hemácias caem. Se junto com as hemácias, nadando no plasma, haja outras estruturas de cargas positivas, estas vão anular as cargas negativas das hemácias e também a repulsão magnética entre elas, permitindo sua aglutinação. Neste caso a gravidade age sozinha e a velocidade com que elas caem (velocidade de hemossedimentação) é acelerada. O VHS é expresso como o número de milímetros que o sangue sedimentou (no tubo) no espaço de uma hora (mm/h).
9 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
11 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
12 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.

No comments: