Wednesday, May 09, 2007

SAÚDE EM GERAL

09/05/2007

Anestesia em gestante reduz ansiedade paterna

A aplicação de anestesia peridural na gestante admitida no hospital em trabalho de parto pode reduzir a ansiedade e o estresse dos companheiros, além de aumentar o envolvimento paterno, segundo pesquisa européia publicada na edição de abril do International Journal of Obstetric Anesthesia. O estudo baseou-se na aplicação de questionários aos futuros pais, do momento em que suas companheiras eram admitidas no hospital até o nascimento do bebê. E, na maioria das vezes, os companheiros das mulheres que receberam anestesia local sentiram que sua presença era desnecessária e só aumentaria a ansiedade. Quando a gestante recebeu a anestesia peridural a atitude dos futuros pais foi de maior envolvimento e maior sensação de utilidade e auxílio.

* leia mais sobre anestesia em Bibliomed (para assinantes)
* leia mais sobre a notícia no site Boa Saúde



Escrito por Leandro Perché às 12h03
[ (0) Comente ] [ envie esta mensagem ]



Doses menores de aspirina são melhores para a saúde

Aproximadamente 250 mil norte-americanos são hospitalizados todo ano por problemas de sangramentos causados pelo uso diário, sem necessidade, de doses adultas de aspirina, segundo estudo da UK HealthCare, nos Estados Unidos. A pesquisa, publicada na edição de hoje do Journal of the American Medical Association, sugere que o tablete de aspirina comumente prescrito para os adultos (325 mg) pode ser mais do que as pessoas precisam por dia. Além disso, segundo os autores, doses maiores do que a da aspirina para bebê ( 75 a 81 mg) não são melhores para prevenir problemas cardiovasculares e aumentam o risco de sangramentos gastrointestinais. Os especialistas defendem, por isso, que um médico sempre deve ser consultado.

*
leia mais sobre aspirina no site Boa Saúde
*
leia mais sobre a notícia no Science Daily (em inglês)
*
leia mais sobre sangramentos em Bibliomed (para assinantes)



Escrito por Leandro Perché às 11h14
[ (0) Comente ] [ envie esta mensagem ]



Estudo sugere consumo de gordura sem culpa no futuro

Um estudo norte-americano sugere que, no futuro, as pessoas poderão comer qualquer tipo de gordura sem se preocupar com o risco de doenças cardíacas. Em pesquisa com ratos, os cientistas da Wake Forest University apagaram um gene que causa a produção de ACAT2, uma enzima que altera a estrutura molecular do colesterol para ele ser transportado para as células do corpo. E eles descobriram que os ratos sem a enzima podiam comer qualquer tipo de gordura sem sofrer doenças cardiovasculares, como a aterosclerose. Os especialistas relataram que o ACAT2 pode ser um alvo potencial para a prevenção de doenças cardíacas, mas que ainda não há evidências que o efeito será o mesmo em humanos.

*
leia mais sobre doenças cardiovasculares no site Boa Saúde
*
leia mais sobre a notícia no Science Daily (em inglês)



Escrito por Leandro Perché às 10h11
[ (0) Comente ] [ envie esta mensagem ]



Riscos de tomar medicamentos são maiores do que os considerados

Tomar uma aspirina todos os dias pode ajudar a prevenir doenças cardiovasculares, mas, para homens de meia idade, o consumo pode representar um risco tão alto como ser bombeiro, segundo pesquisadores norte-americanos anunciaram ontem. De acordo com os especialistas do Tufts-New England Medical Center, as pessoas são ruins em estimar riscos. Em pesquisa, eles calcularam os riscos de diversas atividades, começando pelo consumo de medicamentos. E constataram que homens de 50 anos que tomam aspirina todo dia para prevenir doenças carregam um índice de 10,4 mortes por 100 mil homens por ano. Outros medicamentos, como Vioxx, e outras atividades, como dirigir, também foram analisadas.

*
leia mais sobre aspirina no site Boa Saúde
*
leia mais sobre a notícia na Reuters Health (em inglês)



Escrito por Leandro Perché às 09h22
[ (0) Comente ] [ envie esta mensagem ]


08/05/2007

Auto-hemoterapia – o que diz a ciência?

Constantemente somos informados de terapias inovadoras, indicadas para o tratamento de inúmeras patologias. Várias delas se perderam na história. Há muitos anos atrás, se tomava água oxigenada medicinal, algumas gotinhas diariamente, como um tratamento preventivo para câncer. Em outra época foi muito utilizado o chá de casca de ipê roxo, que deveria ser tomado todos os dias, em jejum, na prevenção de certas doenças, inclusive do câncer.



Há poucos dias apareceu em diversos meios de comunicação, um novo tratamento divulgado inclusive por médicos, a auto-hemotransfusão, tratamento que não tem antecedentes científicos na medicina, mas que, segundo informações de médicos que estão se encarregando de sua divulgação, seria um tratamento “miraculoso”, indicado para o tratamento de câncer, AIDS, infecções, reumatismos e várias doenças consideradas graves e muitas vezes sem cura até o momento.



É dever do médico, fornecer a seus pacientes, tratamentos embasados somente em estudos científicos rigorosos, que passaram por diversas etapas até serem liberados por organismos internacionais e governamentais (FDA e ANVISA, por exemplo), muitas vezes utilizando experimentos animais e humanos bem controlados e realizados com todo o rigor, para impedir que os pacientes sejam submetidos a efeitos colaterais desnecessários ou até mesmo fatais, ou que recebam medicamentos que não irão ter nenhum resultado sobre suas patologias.



Talvez a mais grave conseqüência da auto-hemotransfusão seja o embuste e o retardo do paciente em obter tratamentos convencionais comprovados, que poderiam minorar ou mesmo curar suas enfermidades. Até o momento, todos os pronunciamentos de todas as sociedades nacionais de hemoterapia e hematologia foram contrários e devem ser respeitados. A coerência científica deve existir, senão seríamos meros experimentadores, aceitando tudo o que nos fosse dado, “para o nosso bem”.



Não podemos desconhecer a ciência como se estivéssemos voltando aos tempos AC. Descobertas são plausíveis de existir, mas não podem ser usadas à revelia, até sua comprovação exaustiva pelas pesquisas.



O ser humano é muito especial para se converter em cobaia.


Escrito por Viviane Baccarini às 09h29
[ (1) Apenas 1 comentário ] [ envie esta mensagem ]



Lula defende assistência à mulher que faz aborto

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou ontem, em entrevista a rádios católicas, que apesar de ser contra o aborto, é favorável que o Estado dê assistência às mulheres que recorrem a essa prática. Segundo ele, como presidente da república, ele deve olhar a prática como um problema de saúde pública. Lula evitou falar da legalização do aborto, mas afirmou que o estado deve entender quando “uma jovem desesperada, numa gravidez indesejada, corre à procura de um aborto”. A entrevista faz parte da preparação para a visita do Papa ao Brasil, e tratou de diversos temas, inclusive de escândalos do governo. O presidente falou que pretende conversar com Bento 16 sobre problemas da juventude e da família brasileira.

*
leia mais sobre aborto no site Boa Saúde
*
leia sobre depressão pós-aborto no site Boa Saúde



Escrito por Leandro Perché às 09h01
[ (0) Comente ] [ envie esta mensagem ]



Redução do “colesterol ruim” diminui risco de derrame e infarto

Pessoas com melhora nos níveis de colesterol após um mês tomando estatinas podem reduzir o risco de derrame e de ataque cardíaco, segundo um estudo da Denis Diderot University, na França. O estudo analisou, por quatro ano e meio, 4731 pessoas que tiveram derrame, ou “mini AVC”, ou isquemia – metade tomou os medicamentos, e a outra metade tomou placebo. Os pesquisadores observaram que a média de redução do LDL (colesterol ruim) com um mês de uso da estatina era de 53%. E, a cada 10% de redução do LDL, o risco de AVC reduzia em 4%, e o de ataque cardíaco reduzia em 7%. O estudo foi apresentado este mês no encontro da American Academy of Neurology's.

*
leia mais sobre colesterol no site Boa Saúde
*
leia mais sobre a notícia no Science Daily (em inglês)



Escrito por Leandro Perché às 08h22
[ (0) Comente ] [ envie esta mensagem ]



Remédios contra hipertensão podem diminuir risco de Alzheimer

Idosos que tomam certos medicamentos para diminuir a pressão sangüínea podem estar também se protegendo do declínio de memória, que poderia levar à doença de Alzheimer e à demência, segundo pesquisa apresentada no último encontro da American Geriatrics Society's. O estudo sugere que as drogas inibidoras ACE, usadas contra hipertensão, freiam as inflamações cerebrais que contribuem para a demência. Os pesquisadores avaliaram mais de mil pessoas em tratamento contra a pressão alta. E aqueles que tomavam os inibidores ACE de ação central, a cada ano, tinham um declínio 50% menor nos testes que medem memória, linguagem e outras funções cognitivas do que aqueles que tomavam outros medicamentos. Porém, os inibidores de ação não-central foram relacionados a um aumento no risco de demência.

No comments: