Monday, October 04, 2010

Fibras e metabolismo lipídico

Fibras e metabolismo lipídico


Nutr. Rosana P. Costa
Dr. Daniel Magnoni

Há muitos anos relaciona-se diretamente as fibras com a prevenção e tratamento das dislipidemias.

Nos anos mais recentes, inúmeras ações de medicina preventiva, procuram identificar procedimentos dietéticos que possam, de maneira barata e amplamente aceitável pelos costumes culturais, ampliar o leque de alimentos funcionais com relação ao diagnóstico dislipidemia.

A ocorrência de doenças coronarianas tem levado muitos pesquisadores a realizar estudos comparativos com populações menos atingidas por esses problemas. Os resultados encontrados têm demonstrado existir uma relação entre a prevalência crescente dessas doenças com o consumo de dietas com menor conteúdo de fibras.

As dietas ricas em gordura saturada e colesterol são consideradas de efeito aterogênico, por elevarem os níveis plasmáticos de colesterol e triglicérides, portanto, fator de risco na etiologia da doença isquêmica cardiovascular.

A hipercolesterolemia é um dos fatores de risco mais importantes no desenvolvimento da doença coronariana. Valores de colesterol sanguíneo acima de 200mg/dl aumentam, de forma significativa, o risco de cardiopatia isquêmica.

Um dos principais estudos que demonstrou a relação entre consumo elevado de gordura saturada e colesterol e risco maior de desenvolver doença coronariana foi o Seven Countries Study (Estudo dos Sete Países) de Keys.

A partir desse estudo, foram identificados outros componentes alimentares que têm ligação positiva ou negativa com risco de doença coronariana, entre eles, a quantidade e composição das gorduras, proteínas, carboidratos, vitaminas, minerais, álcool, e produtos fitoquímicos encontrados nos alimentos, como: proteína da soja, certos ácidos graxos insaturados e as fibras solúveis que afetam as concentrações de colesterol plasmático.

Embora as fibras solúveis e insolúveis protejam o organismo contra várias patologias como diabetes mellitus, doença coronariana e isquêmica do coração, obesidade e os mais diversos distúrbios do aparelho digestivo, as pesquisas mais recentes têm enfocado os efeitos hipocolesterolêmicos das fibras solúveis. Além disso, também podem influenciar diretamente ou indiretamente outros fatores ligados à doença cardiovascular, como, por exemplo, hiperinsulinemia, hiperglicemia, hipertensão, obesidade e fatores hemostáticos.

A ação das fibras solúveis no controle do colesterol está relacionado pelas propriedades físico-químicas presente, ou seja, na retenção de água, solubilidade aparente, capacidade de ligação e degradação.

O farelo de aveia é o alimento mais rico em fibras solúveis e com maior capacidade de diminuir o colesterol sangüíneo. É proveniente de um processo mecânico da separação do grão de aveia e esta por sua vez, faz parte do grupo de cereais, como o arroz, trigo e milho.

Estudos com farelo de aveia demonstram forte ação hipocolesterolemiante, provavelmente pelo seu conteúdo de goma onde observou-se diminuição do colesterol total e LDLc. Este efeito pode ser atribuído a absorção de ácidos biliares, após sua desconjugação pelas bactérias intestinais, sendo excretado pelas fezes, diminuindo o pool de ácidos biliares no ciclo êntero-hepático; ou aos ácidos graxos de cadeia curta, produzidos pela degradação bacteriana das fibras no cólon, os quais, também, inibiriam a síntese de colesterol hepático e incrementariam a depuração de LDL.

Anderson e Gustafon estudaram oito homens hipercolesterolêmicos para determinar os efeitos da suplementação de farelo de aveia sobre os níveis de lípides plasmáticos. Os pacientes consumiram alternadamente uma dieta controle e uma dieta suplementada com farelo de aveia, durante 10 dias. Ambas dietam continham quantidades semelhantes de calorias, proteínas, carboidratos, gorduras e colesterol, diferindo apenas na inclusão de 100g de farelo de aveia. Os indivíduos que receberam a dieta suplementada, houve uma redução média de 13% nos níveis de colesterol plasmáticos, 14% nos níveis de LDLc e sem alteração nos valores de HDLc.

Outras combinações de fibras solúveis também foram avaliadas. Tai et al investigaram o efeito de goma guar e psílio em indivíduos que consumiram dieta com baixo teor de gordura suplementada com 16,5 g de fibra ou placebo. O grupo que recebeu dieta acrescida de fibras, reduziu em 3,2% os níveis de LDL-c e 5,5% o colesterol total, sem alteração no HDL-c e triglicérides.
Em 1990, uma análise de ensaios clínicos utilizando goma guar como agente hipolipemiante demonstrou que houve uma redução de 11% nos níveis de colesterol total.

A goma guar é o polissacarídeo de reserva nutricional das sementes de leguminosas. Da mesma forma que as outras fibras, não pode ser digerida no intestino delgado. Acredita-se que a sua propriedade de aumentar a viscosidade de conteúdo gastrointestinal, é a principal responsável pelo retardo da absorção de nutrientes no intestino delgado. É considerada também altamente eficaz na diminuição da hiperglicemia pós-prandial, do peso corporal e das concentrações de colesterol, tanto em indivíduos obesos como em diabéticos e também do aumento da sensibilidade à insulina, incrementando a atividade da lipase - lipoprotéica (PL), possibilitando a redução das lipoproteínas e dos ácidos biliares.

Uma meta-análise mais recente sobre os efeitos redutores de colesterol do psílio relatou redução de 6,7% no LDL após consumo médio de 10,4 gramas de psílio durante 8 semanas.

Embora a absorção de colesterol seja alterada por várias fontes de fibras, nem todas produzem o mesmo efeito. A lignina tem efeito hipocolesterolêmico, enquanto a celulose pouco altera o metabolismo dos lipídeos. Já o consumo de pectina demonstra resposta positiva na redução dos níveis de colesterol.

A pectina é um polímero gelacturônico presente na casca branca interna de várias frutas, principalmente as maçãs e as frutas cítricas. Vários estudos têm demonstrado seu efeito hipocolesterolêmico na redução dos níveis séricos e hepáticos de colesterol total em indivíduos sadios.

Pesquisas realizadas por Baig e Cerda à respeito das interações que existem entre a pectina e as lipoproteínas do plasma, concluíram que quando suplementada na dieta, acarreta redução dos níveis séricos e hepáticos de colesterol, tanto em seres humanos como em animais de experimentação.

Existem algumas teorias para explicar a ação das fibras sobre o metabolismo das gorduras.

A absorção de água, pelos diferentes tipos de fibras, produz uma diluição que altera a digestão e absorção das gorduras.

Estudos realizados sobre a modificação da flora intestinal tem levado a crer que isto pode ocorrer em parte devido à um aumento da água das fezes, o que também contribuiria para a maior diluição do conteúdo fecal e consequente alteração na digestão e absorção de gorduras.

A absorção intestinal de colesterol depende da disponibilidade de sais biliares e fosfolipídeos para a formação de micelas. Se os níveis de ácidos biliares estão reduzidos, o resultado seria a consequente queda na formação de micelas.

As fibras se ligam aos sais biliares no intestino, diminuindo sua reabsorção, o que resulta em menos colesterol disponível no fígado para a síntese de lipoproteínas. As fibras solúveis são quase completamente fermentadas no cólon, produzindo ácidos graxos de cadeia curta os quais podem inibir a síntese hepática de colesterol e incrementar a depuração de LDL.

Os mecanismos de ação ainda permanecem imprecisos, mas devem estar envolvidos com sua viscosidade e capacidade de proteção da mucosa intestinal, interferindo na absorção dos lipídeos. Outra maneira de ação dessa fibra vegetal seria através da redução da glicemia pós- prandial e da concentração de insulina, reduzindo o estímulo para a síntese hepática de colesterol.

Embora já esteja comprovada essa ação das fibras solúveis, ainda não se conhece totalmente seu mecanismo, contudo, sabe-se que elas modificam a absorção e o metabolismo dos ácidos biliares, aumentando a excreção do colesterol. As fibras interferem ainda na absorção e metabolismo dos lipídeos e produzem ácidos graxos de cadeia curta, a partir da fermentação.

Níveis elevados de triglicérides séricos constituem importante fator de risco para doença coronariana. Em pacientes diabéticos, níveis de triglicérides acima de 150mg/dl são tão prejudiciais quanto o aumento dos níveis plasmáticos de colesterol.

Anderson realizou acompanhamento durante 48 meses em um grupo de pacientes diabéticos que receberam suplementos de fibra dietética e constatou uma redução dos níveis sanguíneos de triglicérides e colesterol, em pacientes portadores de hipertrigliceridemia, além da redução dos níveis plasmáticos de glicose e das doses de insulina e hipoglicemiantes orais.

No entanto, não está totalmente esclarecido o papel da fibra no tratamento da hipertrigliceridemia, sendo que, em alguns estudos, não são constatados resultados conclusivos, porém o que se sabe é que o estabelecimento de programas terapêuticos que incluam manutenção do peso adequado, redução da ingestão de bebida alcoólica e gorduras, realização de exercício físico constante e a suplementação de fibras na dieta, podem chegar a reduzir em 80-90% os níveis de triglicérides séricos sem a necessidade da administração de medicamentos.

A recomendação de ingestão de fibra alimentar total para adultos é de 20 a 30g/dia, sendo 25% (6 g) de fibra solúvel.

O grupo de cereais e seus derivados e as leguminosas representam boas fontes alimentares, assim como as frutas. A melhor maneira de se alcançar esta recomendação é aumentar a ingestão desses alimentos.

PARA AMPLIAR A PESQUISA / REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

1. Cummings,J.H. What is fiber? In: Fiber in Human Nutrition, 1976; 1
2. Burkitt, D.P; Walker, A.R.P; Painter, N.S. Dietary fiber and disease. J.A.M.A, 1974; 229:1068-74.
3. Pereira MA, Pins JJ. Fibra Alimentar e Doença Cardiovascular: Avanços Experimentais e Epidemiológicos. Current Atheroscerosis Reports, 2001; vol 1 n°1: 37-46
4. SBAN- Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. Aplicações das Recomendações Nutricionais Adaptadas à População Brasileira. Fibra alimentar ou fibra da dieta, 1990; 73-8.
5. Cavalcante MLF. Fibras Alimentares: Definição e Classificação. Revista Brasileira de Nutrição Clínica, 1997; vol 4: 147-150
6. Ada Reports. Position of the American Dietetic Association: Health Implications of Dietary Fiber. J.Am.Diet.Assoc.,1993; 93(12): 1446-7.
7. Borges VC. Oligossacarídeos x Fibras Alimentares. Revista Brasileira de Nutrição Clínica, 1997; vol 4: 161
8. Márquez LR. Aspectos fisiológicos da fibra dietética. A fibra terapêutica, 2001; 55- 61
9. Anderson, J.W. Physiological and metabolic effects of dietary fiber. Fed. Proc.,1985; 44: 2902
10. Neves N.M. Os Elementos da Dieta no tratamento da Doença Cardiovascular. In Nutrição e Doença Cardiovascular, 1997; 4:49-61.
11. III Diretrizes Brasileiras sobre Dislipidemias. Arq Bras Cardiol 2001; vol77 (supl III)
12. Pereira MA, Pins JJ. Fibra Alimentar e Doença Cardiovascular: Avanços Experimentais e Epidemiológicos. Current Atheroscerosis Reports, 2001; vol 1 n°1: 37-46
13. Heyde,R; Heyde,M.E.D; Wosiacki,G. Relação entre fibras alimentares, lipídios sanguíneos e excreção fecal de ácidos biliares. Um estudo experimental em ratos. Arq. biol. tecnologia; 1993, 36(2): 207-18.
14. Neves,M.S. Nutrição e doença cardiovascular. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997. p.49-62.
15. Anderson,J.W; Gustafson,N.J. Dietary fiber in disease prevention and treatment. Compr.Terapy.,v.13, nº1, 1987.p.43-53.
16.Bridges,S.R et al. Oat bran increases serum acetate of hipercholesterolemic men. Am.J.Clin.Nutr.,v56,1992. p.455-9.
17. Story,J.A. The role of dietary fiber in lipid metabolism in Advances in Lipid Research,1981;18:220-45.
18. Glore,S.R.; Treeck,D.V.; Knehans,A.W. e col. Solube Fiber and Serum Lipids: a Literature Review. In J. Am. Diet. Assoc.,1994; 94(4): 425-36.
19. Anderson JW, Zettwoch N et al. Cholesterol-lowering effects of psyllium hydrophilic muciloid for hypercolesterolemic men. Arch Inter Med, 1988; 148: 292-96
20. NCEP- National Cholesterol Education Program. Second Report of the Expert Panel on Detection, Evaluation and Treatment of High Blood Cholesterol in Adults. In Circulation, 1994; 89(3): 1364-1405.
21. Cintra, I.P e col. - Intervenções Dietéticas - Condutas Clínicas nas Dislipidemias. 1997; 7:139-157




Fonte: http://.nutricaoclinica.com.br

No comments: